quarta-feira, 20 de dezembro de 2017

Campanha Pequenos Reis Magos

No início de dezembro a IAM (Infância e Adolescência Missionária) da Diocese de Joinville, assumiu o gesto concreto da Campanha Pequenos Reis Magos, visitando as famílias, levando a benção do Menino Jesus e arrecadando fundos para ajudar financeiramente o projeto da Pastoral da Criança Internacional.

Com muita alegria e ardor missionário a IAM Santa Paulina visitou em 4 dias o total de 21 famílias, agradecemos a acolhida e a contribuição.

Nós somos da Infância e Adolescência Missionária e estamos junto com a Pastoral da Criança para ajudar as crianças em situação de vulnerabilidade, está é a Campanha Pequenos Reis Magos.
Queremos abençoar a sua casa e ajudar financeiramente as crianças dos países pobres como: Guatemala, Guiné Bissau, Haiti e Moçambique.
Obrigado por nos receber em sua casa.
                         
Cristo abençoe esse lar e agora vamos cantar:



Os três reis magos estão chegando (2x)
Estão entrando nessa casa oiá meu Deus. (2x)
Jesus menino te pedimos (2x)
Abençoa essa casa, oiá meu Deus, abençoa essa família oiá (2x)
Está é nossa missão (2x)
Ajudar as crianças do mundo, oiá meu Deus (2x)
E agora a gente pede(2x)Por favor a sua ajuda, oiá meu Deus(2x)





terça-feira, 19 de dezembro de 2017

Comprovante do depósito da Campanha Pequenos Reis Magos

Já estamos no período do Advento, que para os cristãos representa a preparação para Natal. Mais uma vez neste final de ano, inspirada no exemplo dos três reis magos que vieram adorar o menino Jesus e lhe trouxeram presentes, a Pastoral da Criança realiza em todo o Brasil a campanha Pequenos Reis Magos, um exemplo de solidariedade que une toda a nação em prol das crianças em situação de vulnerabilidade como Guatemala, Guiné-Bissau, Haiti e Moçambique.

Este comprovante é referente a ação dos 2 grupos da IAM Paróquia São Francisco de Assis - Adhermar Garcia

R$367,45 (IAM Santa Paulina)  + R$469,70 (IAM São Francisco de Assis)  = R$ 837,15

quinta-feira, 2 de março de 2017

A Semana Santa é o grande retiro espiritual das comunidades eclesiais, convidando os cristãos à conversão e renovação de vida. Ela se inicia com o Domingo de Ramos e se estende até o Domingo da Páscoa. É a semana mais importante do ano litúrgico, quando se celebram de modo especial os mistérios da paixão, morte e ressurreição de Jesus Cristo. 

DOMINGO DE RAMOS - A celebração desse dia lembra a entrada de Jesus em Jerusalém, aonde vai para completar sua missão, que culminará com a morte na cruz. Os evangelhos relatam que muitas pessoas homenagearam a Jesus, estendendo mantos pelo chão e aclamando-o com ramos de árvores. Por isso hoje os fiéis carregam ramos, recordando o acontecimento. Imitando o gesto do povo em Jerusalém, querem exprimir que Jesus é o único mestre e Senhor. 

2ª A 4ª FEIRAS – Nestes dias, a Liturgia apresenta textos bíblicos que enfocam a missão redentora de Cristo. Nesses dias não há nenhuma celebração litúrgica especial, mas nas comunidades paroquiais, é costume realizarem procissões, vias-sacras, celebrações penitenciais e outras, procurando realçar o sentido da Semana.

Tríduo Pascal 

O ponto alto da Semana Santa é o Tríduo Pascal (ou Tríduo Sacro) que se inicia com a missa vespertina da Quinta-feira Santa e se conclui com a Vigília Pascal, no Sábado Santo. Os três dias formam uma só celebração, que resume todo o mistério pascal. Por isso, nas celebrações da quinta-feira à noite e da sexta-feira não se dá a bênção final; ela só será dada, solenemente, no final da Vigília Pascal. 

QUINTA-FEIRA SANTA - Neste dia celebra-se a instituição da Eucaristia e do Sacerdócio ministerial. A Eucaristia é o sacramento do Corpo e Sangue de Cristo, que se oferece como alimento espiritual.

De manhã só há uma celebração, a Missa do Crisma que, na nossa diocese, é realizada na noite de quarta-feira, permitindo que mais pessoas possam participar. 

Na quinta-feira à noite acontece a celebração solene da Missa, em que se recorda a instituição da Eucaristia e do Sacerdócio ministerial. Nessa missa realiza-se a cerimônia do lava-pés, em que o celebrante recorda o gesto de Cristo que lavou os pés dos seus apóstolos. Esse gesto procura transmitir a mensagem de que o cristão deve ser humilde e servidor. 

Nessa celebração também se recorda o mandamento novo que Jesus deixou: “Eu vos dou um novo mandamento, que vos ameis uns aos outros assim como Eu vos amei.” Comungar o corpo e sangue de Cristo na Eucaristia implica a vivência do amor fraterno e do serviço. Essa é a lição da celebração.

SEXTA-FEIRA SANTA - A Igreja contempla o mistério do grande amor de Deus pelos homens. Ela se recolhe no silêncio, na oração e na escuta da palavra divina, procurando entender o significado profundo da morte do Senhor. Neste dia não há missa. À tarde acontece a Celebração da Paixão e Morte de Jesus, com a proclamação da Palavra, a oração universal, a adoração da cruz e a distribuição da Sagrada Comunhão.

Na primeira parte, são proclamados um texto do profeta Isaías sobre o Servo Sofredor, figura de Cristo, outro da Carta aos Hebreus que ressalta a fidelidade de Jesus ao projeto do Pai e o relato da paixão e morte de Cristo do evangelista João. São três textos muito ricos e que se completam, ressaltando a missão salvadora de Jesus Cristo.

O segundo momento é a Oração Universal, compreendendo diversas preces pela Igreja e pela humanidade. Aos pés do Redentor imolado, a Igreja faz as suas súplicas confiante. Depois segue-se o momento solene e profundo da apresentação da Cruz, convidando todos a adorarem o Salvador nela pregado: “Eis o lenho da Cruz, do qual pendeu a salvação do mundo. – Vinde adoremos”. 

E o quarto momento é a comunhão. Todos revivem a morte do Senhor e querem receber seu corpo e sangue; é a proclamação da fé no Cristo que morreu, mas ressuscitou. 

Nesse dia a Igreja pede o sacrifício do jejum e da abstinência de carne, como ato de homenagem e gratidão a Cristo, para ajudar-nos a viver mais intensamente esse mistério, e como gesto de solidariedade com tantos irmãos que não têm o necessário para viver. 

Mas a Semana Santa não se encerra com a sexta-feira, mas no dia seguinte quando se celebra a vitória de Jesus. Só há sentido em celebrar a cruz quando se vive a certeza da ressurreição. 

VIGÍLIA PASCAL - Sábado Santo é dia de “luto”, de silêncio e de oração. A Igreja permanece junto ao sepulcro, meditando no mistério da morte do Senhor e na expectativa de sua ressurreição. Durante o dia não há missa, batizado, casamento, nenhuma celebração. 

À noite, a Igreja celebra a solene Vigília Pascal, a “mãe de todas as vigílias”, revivendo a ressurreição de Cristo, sal vitória sobre o pecado e a morte. A cerimônia é carregada de ricos simbolismos que nos lembram a ação de Deus, a luz e a vida nova que brotam da ressurreição de Cristo

O que é a quaresma?



A quaresma é um tempo litúrgico que começa na Quarta-feira de Cinzas e termina na Quinta-feira Santa. Esse tempo tem a duração de quarenta dias e representa a ida de cristo para o deserto (cf.MT 4,1-2). É na quaresma onde nos preparamos para o acontecimento mais importante da história da humanidade: (A RESSURREIÇÃO DE CRISTO JESUS).
Por isso, a quaresma é um tempo mais forte de escuta da Palavra, de oração, de jejum e da prática da caridade; tudo isso como caminho de conversão, que devemos aprender neste periodo para ser colocado em prática durante o resto do ano.
Todos nós somos chamados para aproveitar este tempo para nos aproximarmos ainda mais das outras pessoas, das práticas devocionais, como a via-sacra, e do (quarto=terço) e especialmente dos sacramentos da confissão ou reconciliação e da Santíssima Eucaristia para ficarmos mais íntimos com Deus, na qual nós procuramos renovar a nossa vida cristã e batismal, onde buscamos de modo mais fervoroso a santidade, de modo que nos tornamos mais fortes par
a vencermos as tentações que apareceram durante todo o ano.

sábado, 31 de dezembro de 2016

Santa Maria, Mãe de Deus



Celebramos no primeiro dia do ano de modo especial a solenidade de Santa Maria, mãe de Jesus. 
Ela que, ao escutar os pastores a falarem com alegria do que viram no presépio, fixava tudo o que eles diziam. 
Tudo guardava no seu coração. 
E com José deu ao Menino o nome de Jesus.

Também este primeiro dia do ano é, desde o tempo de Paulo VI, o Dia Mundial da Paz. 
Pensemos ao longo deste dia neste dom e tarefa que é a paz. 
Para entendermos melhor apresento três formas ou tipos de paz. 

1- Letra P 

Paz de consciência 
É a paz que sentimos quando temos a consciência sem nada a perturbá-la. 
É a paz que sentimos quando vivemos tranquilos, serenos, sorridentes. 
É a paz que sentimos quando nos deitamos cada dia sem remorsos. 
Ter a consciência em paz. 
Podemos dizer que começamos o novo ano com a consciência em paz? 

2- Letra A 

Paz na família e com os mais próximos 
É a paz que se respira nas famílias onde pais e filhos são pacíficos. 
É a paz que se respira quando as pessoas se compreendem, se amam e se perdoam. 
É a paz que se respira quando todos se empenham em construir a paz. 
Ambientes serenos, calmos e pacíficos. 
Podemos dizer que começamos o novo ano em paz com todos? 

3- Letra Z 

Paz no universo 
É a paz que os governantes dos povos deviam construir sem demora. 
É a paz sonhada todos os dias por povos a sofrerem os horrores das guerras. 
É a paz que faz correr tantas pessoas com fome e sede de justiça e de solidariedade. 
Um universo onde acabem todas as guerras. 
Podemos dizer que começamos um novo ano empenhados pela paz no mundo? 


Com a força do Espírito Santo, estas três formas de paz são possíveis. 
Shalom! Paz! Felicidade! 
Sejamos construtores de paz em cada um de nós, nas famílias e no universo, e seremos chamados filhos de Deus. 

Por intercessão de Maria, Rainha da Paz, dai-nos Senhor a paz. 
Maria, Mãe de Jesus, dai-nos a paz. 



Oração 
Pai, 
peço-vos a paz, que é tão necessária como a água e como o fogo, como a terra e como o ar. 
A paz, que é o perdão que nos liberta do ódio e da ira, da inveja e do sangue derramado. 
A paz, que é liberdade, vida sempre aberta em casa e no trabalho, na escola e na rua. 
A paz, que é pão amassado dia a dia, e que se parte na mesa com fome e alegria. 
A paz, que é a flor do vosso Reino que esperamos e que tornamos mais belo e mais próximo cada dia. 
Sim, peço-te a paz que nos damos uns aos outros porque Vós sois o nosso Pai e nós somos irmãos. 
Amém.

sexta-feira, 7 de outubro de 2016

SUGESTÕES PARA CELEBRAR O MÊS MISSIONÁRIO

Primeiro você precisa entrar no site da POM - Pontifícias Obras Missionárias e ver o material que eles têm por lá, inclusive você pode fazer dowload dos vários subsídios da campanha missionária num ícone do lado direito da página principal. O site é esse:




Uma sugestão é que você use o folhetinho da Oração dos Fiéis nas missas ou no encontro próximo ao Domingo. O folheto tem até mesmo um comentário de motivação para a Celebração. As paróquias normalmente têm os folhetos, pois todas adquirem o material para usar no mês de outubro. Bom, mas tudo está disponível no site, assim como o cartaz que também é legal ter na sala. O site também oferece vídeos que podem ser reproduzidos em seus encontros.



Não esqueça de usar também a ORAÇÃO MISSIONÁRIA deste ano também. Bonita e bem curtinha. Dá pra lembrar em todos os encontros:

Oração do Mês Missionário 2016

Pai de misericórdia, que criaste o mundo
e o confiaste aos seres humanos.
Guia-nos com teu Espírito para que,
como Igreja missionária de Jesus,
cuidemos da Casa Comum com responsabilidade.
Maria, Mãe Protetora, inspira-nos nessa missão. Amém.

Outra coisa interessante: normalmente as dioceses e paróquias que se envolvem com as missões, têm uma paróquia/diocese irmã lá na Amazônia ou numa região carente. Descubra se a sua paróquia tem. Enfim, se você conseguir o endereço de uma paróquia de lá, incentive as suas crianças a escreverem cartinhas para as crianças de lá. Contando como é a vida e a catequese delas aqui e pedindo informações da catequese de lá. Coloque, claro o endereço da paróquia. Mas peça às crianças que direcionem a carta à outra criança. Também temos aqui no grupo Catequistas em Formação Projeto Cartinhas Missionárias, onde, todos os anos catequistas incentivam seus catequizandos a se corresponderem com outros catequizandos de diferentes partes do país. Este ano o projeto já está em andamento, mas, no ano que vem, no mês de abril/maio, começa novamente.

 

A Campanha também disponibiliza um arquivo com “marcadores” de páginas temáticos da Campanha, que podem ser distribuídos aos catequizandos. Sem falar na “Novena” que tem também um rico material para se adaptar a encontros “missionários”.

O tema da Campanha Missionária deste ano é “Cuidar da Casa Comum é nossa missão”. O lema é extraído da narrativa da criação no livro do Gênesis: “Deus viu que tudo era muito bom” (Gn 1, 31). O projeto do Criador é maravilhoso, mas encontra-se ameaçado! A preocupação pela ecologia parte de dois gritos: o grito dos pobres que mais sofrem, e o grito da Terra que geme pela exploração. A temática retoma a Campanha da Fraternidade Ecumênica deste ano e amplia a missão de cuidar da vida em todo o planeta. Em sua Encíclica Laudato si’, o papa Francisco adverte que “a existência humana se baseia sobre três relações intimamente ligadas: as relações com Deus, com o próximo e com a terra” (LS 66). E lança uma pergunta: “Que tipo de mundo queremos deixar a quem nos suceder, às crianças que estão crescendo?” (LS 160). 

Não pode esquecer também de ler a Mensagem do Papa Francisco para o Mês Missionário. É só clicar na imagem do Papa no site e você baixa a mensagem em PDF.

Em nossa Casa Comum, tudo está interligado, unido por laços invisíveis, como uma única família universal. E nós recebemos de Deus a missão de cuidar dessas relações. Isso tem a ver com a missão da Igreja. Queremos fazer do cuidado do planeta a nossa missão até os confins do mundo. Diante da crise socioambiental, nem todos temos de ser especialistas e saber tudo, mas temos o dever de mudar nossos hábitos e apoiar ações práticas.

A Missão é a principal razão de ser da nossa Igreja e seus missionários e missionárias representam uma grande riqueza. Pela Campanha Missionária, toda a comunidade cristã é convidada a renovar seu compromisso batismal em conformidade ao mandato de Jesus Cristo, “Ide fazei discípulos todas as nações” (Mt 28, 19).

E por último, distribua os envelopes da campanha missionária e fale sobre ela. A coleta é no penúltimo domingo do mês de outubro (este ano, dias 22 e 23). As ofertas realizadas em todas as comunidades, paróquias e instituições católicas devem ser integralmente enviadas às Pontifícias Obras Missionárias (POM) que as repassam ao Fundo Universal de Solidariedade para apoiar projetos em todo o mundo. No site tem dados sobre onde o dinheiro é investido, como são as missões, quais os países e estados brasileiros atingidos.

E se tiver infância missionária na sua paróquia, convide alguém para vir dar um testemunho, convidar as crianças para participar. 

Faça um evento conjunto com a Infância Missionária. Agite a paróquia!

Ângela Rocha


Catequista
CARTAZ DA CAMPANHA MISSIONÁRIA 2016
FONTE: POM - PONTIFÍCIAS OBRAS MISSIONÁRIAS

http://www.catequistasemformacao.com/2016/09/sugestoes-para-celebrar-o-mes.html


terça-feira, 6 de setembro de 2016

4º Congresso da IAM - Comarca Sul - Diocese de Joinville

No dia 20/08 aconteceu o 4º Congresso da IAM na Paróquia São Francisco de Assis do bairro Ademar Garcia em Joinville/SC, com 05 oficinas de 30 minutos cada, Terço Missionário, Cinema com a história de Santa Bernadete a Princesinha de Lourdes, Canto e Dança, Bingo da IAM, História de Santa Teresinha do Menino Jesus e São Francisco Xavier,  e no final do encontro fizemos uma grande partilha, a todos que participaram nosso muito obrigada, no total foram 138 participantes.
Viva a IAM!!!