sexta-feira, 30 de outubro de 2009

Poderosa força missionária

Infelizmente, até hoje muita gente identifica a Igreja com o poder, pelo fato de que, muitas vezes, no passado, ela foi aliada dos que governavam o mundo. Não é o caso agora discutir questões históricas e suas implicações, mas, de fato, na Igreja existem grandes “poderes”. Um deles é o Espírito Santo, alma da Igreja. Além de outros, gostaria aqui de destacar um forte poder dado aos homens: a oração.
Santa Teresinha do Menino Jesus tornou-se padroeira universal das missões sem nunca ter saído a campo, sem nunca ter feito grandes pregações. Descobriu a força, o “poder” da oração e oferecia todos os momentos de sua vida (em particular as dores de sua doença, pois era tuberculosa) em favor dos missionários que estavam na linha de frente da Igreja, fazendo o primeiro anúncio do Evangelho ou educando na fé àqueles que já se tornaram cristãos. Quanta gente Sta Teresinha ajudou a converter-se com suas orações. Quanta força deu aos missionários espalhados pelos cantos mais distantes do mundo!
Lembro-me de que,quando estava no seminário, numa das nossas manhãs mensais de recolhimento, o pregador contava o testemunho de um colega seu, que era capelão no Hospital do Câncer. Relatava o capelão que, certa vez, deu entrada no hospital uma criança já em estado terminal. A mãe pediu que o capelão levasse a Eucaristia diária a seu filhinho, que recém fizera a Primeira Eucaristia e gostaria de continuar comungando no hospital. O capelão então concordou mas pediu ao menino que lhe desse um “pagamento”. “Como pagar?” – perguntaram a mãe e o menino. O padre então explicou que havia uma jovem que também estava internada ali e que, embora tivesse sido atuante em grupos de igreja, estava revoltada com a doença e blasfemava muito. E, temendo que ela morresse em inimizade com Deus, o padre pediu que toda vez que o menino sentisse dor, fechasse os olhos e oferecesse sua dor e uma oração por aquela moça, de quem o padre escreveu o nome num papel e entregou ao menino, que aceitou “pagar” o que o padre pedia. Três dias depois a moça chamou o padre para se confessar, morrendo após receber a absolvição. No mesmo instante entrava no quarto uma enfermeira chamado pelo padre. Também o menino acabava de falecer. Indo ao quarto onde ele estava o padre encontrou-o com a mão fechada, guardando o papelzinho com o nome da moça. A enfermeira contou-lhe que aquela era a criança mais diferente que havia visto: nunca chorava, nunca reclamava dor, mas vivia com os punhos cerrados e as vezes tremendo. Quem pode duvidar que aquela criança foi a força necessária para a conversão e salvação da moça?
Este é o poder da oração, tão necessária para a atividade missionária da Igreja. Por isso os últimos Papas, em vários textos, têm insistido nesta forma de cooperação espiritual com as missões: oração frequente pelos missionários e por aqueles com os quais estarão em contato, para que não se desanimem e se eficazes aqueles e se abram á Boa Nova estes.
Para terminar lembro um ditado que diz: “a oração é a força do homem e a fraqueza de Deus
E então, vamos usar nossa força, nosso “poder”?


Pe. Edson Assunção
Secretário Nacional da
Infância e Adolescência Missionária.

domingo, 25 de outubro de 2009

Vida de Grupo IAM Santa Paulina

Neste encontro fizemos brincadeiras, rezamos e no final do encontro fizemos partilha.









Consagração da IAM Nossa Senhora dos Navegantes - Enseada São Francisco do Sul




Consagração da IAM

A consagração é um entregar-se, decidir-se livremen­te, dizer sim. Na Infância Missionária a consagração é uma forma de assumir pública e solenemente a decisão de ser missionário. É a disposição de colaborar para que todas as crianças do mundo conheçam e amem a Jesus e se amem entre si.

É realizada quando o assessor observa uma participação mais amadurecida e comprometida das crianças com, pelo menos, um ano de caminhada na Infância e Adolescência Missionária: um tempo suficiente para conhecer a obra, seus objetivos, compromissos, etc.

Esse ingresso deve ser o sinal da vontade de se comprometer com Jesus, de ser missionário na família, na paróquia e na Igreja universal.

A cada ano, com uma cerimônia especial, renova-se esse compromisso da IAM, com o objetivo de manter vivo o ardor missionário nas crianças.

A celebração pode ser realizada dentro da missa, depois da homilia, ou numa celebração especial.

Abaixo fotos da Consagração da IAM da Comunidade Nossa Senhora dos Navegantes na Enseada em Balneário São Francisco do Sul/SC
Fotos enviadas pela assessora IAM Solange.

Que o Senhor Jesus, Nossa Senhora e nossos Santos padroeiros, São Francisco Xavier e Santa Terezinha do Menino Jesus, acolham e abençoem sua generosa entrega lhes dêem perseverança no cumprimento dos compromissos que acabam de fazer.


quarta-feira, 21 de outubro de 2009

Vigília Missionária IAM Portugal



Vígila Missionária realizada em Portugal pela IAM


Música de fundo

Círio com 5 fitas que partem do círio até ao chão. Cada fita tem a cor de um continente


Cântico: Deixa Deus entrar (só refrão)

Leitor: “São necessários missionários que iluminem o mundo!”

5 jovens com túnicas põem uma vela em cima de cada fita e acendem-na enquanto se repete o refrão do cântico


Exposição da Eucaristia

Cântico: Pai, eu te adoro


1. Introdução



Leitor: A Igreja é por sua natureza Universal, por isso é uma “casa” aberta a todos os povos, uma Casa onde há lugar para todos: crianças, jovens, adultos...; pobres e ricos; sãos e doentes; sá­bios e ignorantes; gente santa e gente pecadora; pessoas de todas as culturas e idiomas... porque Deus não faz acepção de pessoas, porque Deus enviou o Seu Filho ao mundo para salvar a Humanidade inteira.
Ao celebrarmos mais um Dia Missionário Mundial queremos ter presente nesta vigília os povos dos cinco Continentes, a sua realidade tão rica e diversa de culturas, línguas e costumes e todos os missionários que trabalham com cada um destes povos.



2. Escutar a Palavra


Cântico: Eu vim para escutar


Evangelho segundo S. Mateus

Os onze discípulos partiram para a Galileia, para o monte que Jesus lhes tinha indicado. Quando o viram, adoraram-no; alguns, no entanto, ainda duvidavam. Aproximando-se deles, Jesus disse-lhes:

“Foi-me dado todo o poder no Céu e na Terra. Ide, pois, fazei discípulos de todos os povos, baptizando-os em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, ensinando-os a cumprir tudo quanto vos tenho mandado. E sabei que Eu estarei sempre convosco até ao fim dos tempos.” (28, 16-20)



Cântico: Eu quero entender melhor



3. A Palavra gera Oração


• Pai, Filho e Espírito Santo, olhai sorridente para a imensa humanidade que ainda vive alheia ao apelo do Evangelho e da fé;


Cântico: Aquele que vos chamou


• Fazei brotar as sementes do Verbo espalhadas em todos os povos e abri os corações à força renovadora da Palavra;


• Despertai em toda a Igreja novo impulso missionário, humilde, pobre e confiante, capaz de dialogar com a humanidade de hoje e formar pessoas novas para uma sociedade mais fraterna;


• Por intercessão de Maria, nossa mãe, fazei-nos dignos da vocação que nos provoca a sair de nós para irmos ao Outro como testemunhas da Boa Nova da Salvação universal.



4. Avé Maria por cada continente



Sugestão:
uma pessoa segura o mapa do continente respectivo até terminar a avé maria, durante o cântico pousa-o à frente da vela, encostado ao degrau


(Mapa África)



L1: África, continuas a ser despojada das tuas riquezas.

Choras pelo sofrimento, opressão e injustiça de que és vítima,

pelo sangue derramado pela crueldade da guerra.

L2: Mas és forte e no coração levas a esperança, sonhos de liberdade, fé, amor e paz.

L1+L2: Hoje, a nossa oração é para ti, África!


L2: Senhor, abençoa a Igreja de África para que os cristãos sejam testemunhas da verdade e da justiça, defensores da paz e da liberdade, profetas e construtores de uma nova África mais justa e fraterna.


Todos: Avé Maria!...



Cântico: Mãe, Companheira


(Mapa América)


L1: América, com cidades grandes e ricas, tudo se compra e tudo se vende, até os homens. E o contraste entre ricos e pobres é cada vez maior.

Muitos morreram na esperança que fosses a oportunidade de uma vida melhor.

Povos indígenas vêem retirados os seus direitos à terra dos seus antepassados e à sua cultura.

L2: Mas há também vozes com esperança de se fazerem ouvir, de acabar com as injustiças, a indiferença, o racismo.

L1+L2: Hoje, a nossa oração é para ti, América!

L2: Senhor, olha para o vasto continente americano e faz da Igreja uma Igreja missionária comprometida com as lutas do povo e um sinal de esperança, sobretudo para os mais pobres.


Todos: Avé Maria!...


Cântico: Há sempre um sorriso


(Mapa Europa)


L1: Na Europa, abunda o conforto, o egoísmo, o individualismo, por contraste existe a exclusão, principalmente dos doentes, idosos e imigrantes, a solidão, o desespero…

Continente que espalhou os ideais cristãos, vê-se hoje esquecido desses valores fundamentais para a dignidade humana.
L2: Mas há pessoas que sabem ouvir e estendem a mão. É urgente evangelizar a Europa.

L1+L2: Hoje, a nossa oração é para ti, Europa!

L2: Senhor, nosso Deus e nosso Pai, abençoa o continente europeu para que saiba acolher os imigrantes e os refugiados e, abrindo-se aos outros continentes, possa crescer no respeito pelos outros povos e culturas.

Todos: Avé Maria!...


Cântico: Mãe, Companheira



(Mapa Ásia)



L1: Ásia, um continente com uma diversidade de línguas, culturas e religiões, mas ao mesmo tempo com níveis de desenvolvimento social muito diferentes.

É enorme a diferença entre aqueles que vivem numa mansão privada com segurança e os milhões que sonham com um tecto.

Há pessoas traficadas como mercadoria, muitos sujeitos a trabalho forçado e a infância é roubada a milhões de crianças.

L2: Mas há consciências que denunciam os crimes contra os direitos humanos; que lutam pelo bem-estar social.

L1+L2: Hoje, a nossa oração é para ti, Ásia!

L2: Senhor, envia o Teu Espírito sobre as Igrejas da Ásia para estarem sempre ao lado dos mais pobres, crescerem no diálogo com as diversas tradições religiosas e serem fermento de vida nova.

Todos: Avé Maria!...


Cântico: Há sempre um sorriso


(Mapa Oceania)

L1: Oceânia, quando pensamos em ti vêm-nos à mente

vastas planícies, cangurus e uma civilização muito desenvolvida,

mas a exclusão social é uma realidade.

O povo aborígene continua a ser esquecido.

O desemprego é uma realidade que mata sonhos.

Uns vivem o sonho de tudo ter e nada dar,

enquanto outros têm tudo para dar, mas ninguém os valoriza.

L2: Mas és resistente e não desistes dos sonhos.

L1+L2: Hoje, a nossa oração é para ti, Oceânia!

L2: Senhor, olha com bondade para os povos da Oceânia e faz da Tua Igreja, uma Igreja missionária, acolhedora e dialogante, para construir pontes entre pessoas, grupos e nações, e dar a conhecer a todos a Boa Nova do Reino de Deus.

Todos: Avé Maria!...


Cântico: Mãe, Companheira


L1: Senhor, nosso Deus e nosso Pai, Tu que és fonte do amor e da missão, dá-nos a coragem de partir ao encontro dos outros, saindo do nosso egoísmo e do nosso conforto.

L2: Dá-nos a graça de viver sempre em espírito de missão.

Todos: Ámen.


5. Adoração



Leitor 1: Jesus Cristo, nosso amigo e companheiro, estás aqui, connosco e para nós.

Leitor 2: Nós Te amamos e Te adoramos.

Leitor 1: Obrigado por estares presente neste sacramento do Teu amor.

Leitor 2: Tu és o pão saboroso da vida eterna.

Leitor 1: Tu és a luz e a salvação do mundo inteiro.

Leitor 2: Tu és a alegria do nosso coração.



Leitor 1: Estás aqui!

Leitor 2: Os meus olhos não Te vêem.

Leitor 1: Os meus ouvidos não Te ouvem.

Leitor 2: As minhas mãos não Te podem tocar

Leitor 1 e 2: Mas a fé que me dás é luz para o meu coração.



Leitor 1: Jesus Cristo, nosso amigo,

Leitor 2: estamos aqui contigo e para Ti.

Leitor 1: Queremos participar no teu Reino e na tua vida.

Leitor 2: Queremos ser tocados pela Tua presença e pela força da Tua Ressurreição.



6. Benção do Santíssimo Sacramento - Sacerdote




7. Benção Final



Irmãos, o Espírito que nos convocou e reuniu, é o mesmo Espí­rito que nos envia a levar a Boa Nova a todos os povos e a ser testemunhas de Cristo Ressuscitado. Animados pela sua força e na certeza de que Ele está sempre connosco, vamos em paz. Abençoe-vos Deus todo-poderoso, Pai, Filho e Espírito Santo.



Cântico: Eu irei cantar pelo mundo

domingo, 11 de outubro de 2009

Dia de Nossa Senhora Aparecida - Dia das crianças




Viva Nossa Senhora Aparecida, Viva as Crianças do Mundo Inteiro...









sábado, 10 de outubro de 2009

Dia 12 de Outubro Dia de Nossa Senhora Aparecida


Quando nos consagramos a Nossa Senhora estamos realizando um ato jurídico, estamos dando a ela aquilo que a ela pertence. Nós somos dela. Todo filho pertence à Mãe! É preciso que o filho seja devolvido à Mãe.

Quantas vezes vemos questões jurídicas intrincadas, em que o juiz acaba devolvendo à mãe o filho que lhe pertence. É um direito mais do que natural. Ela o gerou no seu ventre.

É preciso que nós, que somos filhos, sejamos devolvidos a Maria, que é nossa Mãe. É uma questão de direito. Justiça é dar a cada um o que lhe pertence. O filho deve ser devolvido à mãe porque ele lhe pertence. É uma questão de justiça. Nós e todos os seus filhos precisamos ser devolvidos a Virgem Maria, porque é uma questão de justiça: pertencemos a ela. Somos os seus filhos. Ela é nossa Mãe. É urgente, é dever de justiça dar a ela o que é dela: todos os seus filhos.

A Palavra de Deus em Colossenses 1,15 nos diz que Jesus foi escolhido pelo Pai para ser o Primogênito de toda criatura.Mas,no seu maravilhoso plano, o Pai quis ter uma multidão de filhos, entre os quais quis que Jesus fosse o Primogênito. Quando o Senhor projetou esse plano precisava que Jesus e os Seus demais filhos tivessem uma mãe.Para que Jesus fosse o Primogênito de todas as criaturas era preciso que a mãe d'Ele fosse também a mãe de todos os outros irmãos.

No pensamento de Deus, a primeira criatura projetada foi aquela que Ele escolheu para ser a Mãe do seu Filho feito homem e de todos os outros filhos. A primeira de todas as criaturas é Maria. Foi no alto do Calvário que Cristo acabou assinando, não com a tinta, mas com o Seu Sangue, aquela escritura na qual declarava que Maria era nossa Mãe. São João testemunha esse fato no seu Evangelho:“Vendo assim a sua mãe, e perto dela o discípulo que ele amava, Jesus disse à sua mãe: 'Mulher, eis aí o teu filho'. A seguir, disse ao discípulo: 'Eis a tua mãe'” (João 19, 26-27a)

Nosso Senhor Jesus Cristo estava realizando uma questão jurídica. Ali, no Calvário, Ele assinava com Seu Sangue derramado naquele momento e promulgava com a Sua Palavra, do alto da cruz: “Mulher, eis aí o teu filho, eis a tua mãe”. Estava falando em linguagem jurídica romana, porque era preciso fazer o documento e promulgá-lo.

Desde toda a eternidade, desde que Deus é Deus, desde que o Pai concebeu esse plano maravilhoso: Seu Filho viria a este mundo, se chamaria Jesus e seria o Primogênito de toda criatura... Desde esse momento, Maria já era a escolhida d'Ele para ser a nossa Mãe

Preste atenção: “Para ser a minha Mãe desde toda a eternidade, Maria já tinha sido escolhida pelo Pai. Mãe de Jesus, minha Mãe e Mãe de todos os meus irmãos, para que Ele fosse o Primogênito de todas as criaturas”Proclame:“Eu pertenço a Maria desde toda a eternidade. Desde quando o Pai concebeu esse lindo plano no qual Jesus seria o Primogênito no meio de uma multidão de irmãos. O Pai já escolhera Maria para ser a Mãe de Jesus, minha Mãe e Mãe de todos os meus irmãos. Muito obrigado, ó Pai, pela linda escolha. Desde toda a eternidade, antes que eu existisse, Maria já era minha Mãe e eu o seu filho”.

Saiba sobre o aparecimento de Nossa Senhora Aparecida

As crianças aprendem o que vivem....

Se a criança vive com críticas,
ela aprende a condenar
Se a criança vive com hostilidade,
ela aprende a agredir
Se a criança vive com zombarias,
ela aprende a ser tímida
Se a criança vive com humilhação,
ela aprende a se sentir culpada
Se a criança vive com tolerância,
ela aprende a ser paciente
Se a criança vive com incentivo,
ela aprende a ser confiante
Se a criança vive com elogios,
ela aprende a apreciar
Se a criança vive com retidão,
ela aprende a ser justa
Se a criança vive com segurança,
ela aprende a ter fé
Se a criança vive com aprovação,
ela aprende a gostar de si mesma
Se a criança vive com aceitação e amizade,
ela aprende a encontrar amor no mundo.

Autor: Desconhecido

terça-feira, 6 de outubro de 2009

18 de outubro Dia Mundial das Missões

MENSAGEM DO SANTO PADRE

MENSAGEM DO SANTO PADRE
PARA O DIA MUNDIAL DAS MISSÕES DE 2009
(18 DE OUTUBRO)

“As nações caminharão à sua luz” (Ap 21, 24)

Queridos irmãos e irmãs,

Neste domingo dedicado às missões, dirijo-me antes de mais a vós, Irmãos no ministério episcopal e sacerdotal, e também a vós, irmãos e irmãs do Povo de Deus, para vos exortar a reavivardes a consciência do mandato missionário de Cristo, a fim de fazer com que “todos os povos se tornem seus discípulos” (Mt 28, 19), seguindo as pegadas de São Paulo, o Apóstolo dos Gentios.
“As nações caminharão à sua luz” (Ap 21, 24). O objectivo da missão da Igreja é iluminar com a luz do Evangelho todos os povos em seu caminhar na história rumo a Deus, para que encontrem n’Ele a sua plena realização. Devemos sentir o anseio e a paixão de iluminar todos os povos, com a luz de Cristo, que resplandece no rosto da Igreja, para que todos se reúnam na única família humana, sob a amável paternidade de Deus.
É nesta perspectiva que os discípulos de Cristo espalhados pelo mundo trabalham, se dedicam, gemem sob o peso dos sofrimentos e doam a vida. Reitero com veemência o que muitas vezes foi dito pelos meus Predecessores: a Igreja não age para ampliar o seu poder ou reforçar o seu domínio, mas para levar a todos Cristo, salvação do mundo. Pedimos só que nos seja dado servir toda a humanidade, sobretudo a mais sofredora e marginalizada, porque acreditamos que “o compromisso de anunciar o Evangelho aos homens de nosso tempo... é sem dúvida alguma um serviço prestado à comunidade cristã, mas também a toda a humanidade" (Evangelii Nuntiandi, 1), que “apesar de conhecer realizações maravilhosas, parece ter perdido o sentido último das coisas e de sua própria existência”(Redemptoris Missio, 2).

1. Todos os Povos são chamados à salvação

Na verdade, a humanidade inteira tem a vocação radical de voltar à sua origem, que é Deus, em quem e só em quem ela encontrará a sua plenitude por meio da restauração de todas as coisas em Cristo. A dispersão, a multiplicidade, o conflito, a inimizade serão repacificadas e reconciliadas através do sangue da Cruz e reconduzidas à unidade.
O novo início já começou com a ressurreição e a exaltação de Cristo, que atrai a si todas as coisas, as renova, as torna participantes da eterna glória de Deus. O futuro da nova criação brilha já em nosso mundo e acende, mesmo se entre contradições e sofrimentos, a nossa esperança por uma vida nova. A missão da Igreja é “contagiar” de esperança todos os povos. Por isso, Cristo chama, justifica, santifica e envia os seus discípulos para anunciar o Reino de Deus, a fim de que todas as nações se tornem Povo de Deus. É somente nesta missão que se compreende e se confirma o verdadeiro caminho histórico da humanidade. A missão universal deve tornar-se uma constante fundamental na vida da Igreja. Anunciar o Evangelho deve ser para nós, como já dizia o apóstolo Paulo, um compromisso urgente e inadiável.

2. Igreja peregrina

Toda a Igreja, sem confins e sem fronteiras, se sente responsável por anunciar o Evangelho a todos os povos (cf. Evangelii Nuntiandi, 53). Ela, germe de esperança por vocação, deve continuar o serviço de Cristo no mundo. A sua missão e o seu serviço não se limitam às necessidades materiais ou mesmo espirituais confinadas à existência temporal, mas abarcam a salvação transcendente que se realiza no Reino de Deus. (cf. Evangelii Nuntiandi, 27). Este Reino, mesmo sendo em sua essência escatológico e não deste mundo (cf. Jo 18,36), está também neste mundo e em sua história é força de justiça, paz, verdadeira liberdade e respeito pela dignidade de todo o ser humano. A Igreja aspira a transformar o mundo com a proclamação do Evangelho do amor, “que ilumina incessantemente um mundo às escuras e nos dá a coragem de viver e agir e ... deste modo, fazer entrar a luz de Deus no mundo" (Deus Caritas est, 39). Esta é a missão e serviço em que, também com esta Mensagem, chamo a participar todos os membros e instituições da Igreja.

3. Missão ad gentes

A missão da Igreja é chamar todos os povos à salvação realizada por Deus em seu Filho encarnado. É necessário, portanto, renovar o compromisso de anunciar o Evangelho, fermento de liberdade e progresso, de fraternidade, união e paz (cf. Ad Gentes, 8). Desejo “novamente confirmar que a tarefa de evangelizar todos os homens constitui a missão essencial da Igreja” (Evangelii Nuntiandi, 14), tarefa e missão que as vastas e profundas mudanças da sociedade actual tornam ainda mais urgentes. Está em questão a salvação eterna das pessoas, o fim e a plenitude da história humana e do universo. Animados e inspirados pelo Apóstolo dos Gentios, devemos estar conscientes de que Deus tem um povo numeroso em todas as cidades percorridas também pelos apóstolos de hoje (cf. Act 18, 10). De facto, “a promessa é em favor de todos aqueles que estão longe, de todos aqueles que o Senhor nosso Deus chamar”(Act 2, 39).
Toda a Igreja se deve empenhar na missão ad gentes, enquanto a soberania salvífica de Cristo não estiver plenamente realizada: “Agora, porém, ainda não vemos que tudo lhe esteja submetido” (Heb 2,8).

4. Chamados a evangelizar também por meio do martírio

Neste dia dedicado às missões, recordo na oração aqueles que fizeram de suas vidas uma exclusiva consagração ao trabalho de evangelização. Menciono em particular as Igrejas locais, os missionários e missionárias que testemunham e propagam o Reino de Deus em situações de perseguição, com formas de opressão que vão desde a discriminação social até à prisão, à tortura e à morte. Não são poucos aqueles que nos últimos anos morreram por causa do seu “Nome”. É ainda de grande actualidade o que escreveu o meu venerado Predecessor, o Papa João Paulo II: “A comemoração jubilar descerrou-nos um cenário surpreendente, mostrando o nosso tempo particularmente rico de testemunhas, que souberam, ora dum modo ora doutro, viver o Evangelho em situações de hostilidade e perseguição até darem muitas vezes a prova suprema do sangue” (Novo Millennio Ineunte, 41).
A participação na missão de Cristo, de facto, destaca também a vida dos anunciadores do Evangelho, aos quais é reservado o mesmo destino de seu Mestre. “Lembrem-se do que vos disse: nenhum servo é maior que o seu senhor. Se me perseguiram, também vos hão-de perseguir " (Jo 15, 20). A Igreja faz o mesmo caminho e passa por tudo aquilo que Cristo passou, porque não age baseando-se numa lógica humana ou usando a força, mas seguindo o caminho da Cruz e fazendo-se, em obediência filial ao Pai, testemunha e companheira de viagem desta humanidade.
Às Igrejas antigas como às de recente fundação, recordo que são constituídas pelo Senhor como sal da terra e luz do mundo, chamadas a irradiar Cristo, Luz do mundo, até aos extremos confins da terra. A missão ad gentes deve ser a prioridade de seus planos pastorais.
Para as Obras Missionárias Pontifícias vai o meu agradecimento e encorajamento pelo seu indispensável trabalho de animação, formação missionária e ajuda económica às jovens Igrejas. Por meio destas instituições pontifícias, realiza-se de forma admirável a comunhão entre as Igrejas, com a troca de dons, na solicitude recíproca e na comum programação missionária.

5. Conclusão

O impulso missionário sempre foi sinal de vitalidade de nossas Igrejas (cf. Redemptoris Missio, 2). É preciso, todavia, reafirmar que a evangelização é obra do Espírito, e que antes mesmo de ser acção, é testemunho e irradiação da luz de Cristo (cf. Redemptoris Missio, 26) através da Igreja local, que envia os seus missionários e missionárias para além de suas fronteiras. Rogo a todos os católicos que peçam ao Espírito Santo que aumente na Igreja a paixão pela missão de proclamar o Reino de Deus e que ajudem os missionários, as missionárias e as comunidades cristãs empenhadas nesta missão, muitas vezes em ambientes hostis de perseguição.
Ao mesmo tempo, convido todos a darem um sinal credível da comunhão entre as Igrejas, com uma ajuda económica, especialmente neste período de crise que a humanidade está a viver, a fim de colocar as jovens Igrejas em condições de iluminar as pessoas com o Evangelho da caridade.
Sirva-nos de guia em nossa acção missionária a Virgem Maria, Estrela da Evangelização, que deu ao mundo Cristo, luz das nações, para que Ele leve a salvação “até aos confins da terra” (Act 13, 47).

A todos, a minha Bênção.
Cidade do Vaticano, 29 de junho de 2009

Oração


Maria, nossa Mãe
Sempre tiveste confiança nas crianças,
e as fizestes mensgeiras do amor de Jesus
para a humanidade
Acolhe as alegrias, as dores, e as esperanças
das crianças do mundo
.Abre os seus corações aos sentimentos
de amor, de paz e de fraternidade.
Acompanha a vida dos pequenos, dos fracos
e marginalizados, com a tua ternura de Mãe.
Conduz todas as crianças do mundo
para teu filho Jesus, onde brilha a luz do Evangelho.
Amém.

"A maravilhosa história e os milagres de Nossa Senhora Aparecida"

O encontro milagroso
Depois de muitos lances, João Alves, ao recolher sua rede, percebeu que ela havia apanhado alguma coisa. Surpresos, os três pescadores viram que se tratava do corpo de uma pequena imagem de barro, à qual faltava a cabeça. Tornando a lançar a rede um pouco mais abaixo, o mesmo pescador recolheu a cabeça da imagem, que deixou a todos maravilhados. Logo reconheceram que se tratava de uma representação de Nossa Senhora da Conceição, pois a Virgem calcava a lua debaixo dos pés. Esta invocação glorifica a Virgem Santíssima enquanto concebida sem o pecado original. Escolhida para ser a Mãe do Salvador, foi Ela preservada da mancha original, pelos méritos antecipados de seu divino filho, Jesus Cristo. Pela primeira vez, era vista e reverenciada a Imagem daquela que mais tarde seria proclamada Rainha e Padroeira do Brasil. Como outrora na Palestina a presença de Nosso Senhor na barca de Pedro fez com que a pescaria, até então infrutífera, se tornasse tão abundante que a barca quase afundava (São Lucas 5, 3-11), também a presença dos pescadores brasileiros operou o mesmo milagre: a aprtir do encontro da imagenzinha seus barcos transbordaram de peixes.

A libertação do escravo Zacarias
Um milagre espetacular, que muito contribuiu para a divulgação da devoção à Senhora Aparecida, foi o acontecido com o escravo Zacarias. Ele havia fugido de uma fazenda no Paraná e foi capturado no Vale do Paraíba. Estava sendo levado de volta, preso por correntes e argolas em torno dos pulsos e do pescoço, quando passaram perto da capelinha da Aparecida. Zacarias, cheio de confiança no poder e na bondade de Nossa Mãe do Céu, pediu para rezar diante de sua imagenzinha. Rezou com tanta fé, que as argolas e a corrente lhe caíram milagrosamente aos pés! Seu senhor, quando soube do milagre, deu-lhe logo a liberdade. Zacarias tornou-se um dos maiores devotos da Senhora Aparecida e um entusiasmado propagador da devoção a Ela.

O sacrilégio punido
Após a Independência do Brasil, o concurso dos romeiros e a devoção a Nossa Senhora Aparecida foi crescendo cada vez mais. Porém, o ódio dos maus também aumentava. Um homem sem fé e inimigo da Religião veio de Cuiabá com a sacrílega intenção de entrar a cavalo na igreja e derrubar a milagrosa Imagem. A Virgem, porém, não permitiu o sacrilégio: as patas do cavalo ficaram presas nas pedras da escadaria. Até hoje pode ver-se a marca de uma das ferraduras, gravada numa pedra que se conserva na Sala dos Milagres da Basílica Nova.

A cura da menina cega
Entre os inúmeros prodígios realizados pela Senhora Aparecida, em tempos antigos, está a cura de uma menina cega de nascença. Dona Gertrudes Vaz morava com sua filha em Jaboticabal, no interior de São Paulo. Um irmão dela, chamado Malaquias, ia sempre em peregrinação a Aparecida, e depois contava para a sobrinha os milagres que ali se operavam. A menina pedia à mãe para irem também em peregrinação. Mas como eram muito pobres, não tinham recursos para a longa viagem. Confiando, porém, na Virgem Aparecida, elas se puseram um dia a caminho, pedindo esmolas para se manterem. Depois de semanas de viagem, ao chegarem próximo de Aparecida, de repente, a menina, que era cega de nascimento, exclama com simplicidade: - Olha mãe! Aquilo não será a igreja de Nossa Senhora Aparecida? Muito emocionada, a mãe pergunta: - Então, minha filha, você está enxergando? - Perfeitamente, mamãe! - respondeu a menina. De repente veio uma luz que clareou a minha vista. Este caso deu-se no ano de 1874.

O pequeno mendigo paralítico
Narra um Missionário Redentorista do começo do século: "A imagem de Nossa Senhora Aparecida que levamos conosco parece exercer uma atração especial, pois muito e piedosamente se rezava diante dela. Depois da volta dos missionários, veio de Barra Mansa uma notícia sobre o milagre, acontecido durante a renovação da missão em Queluz, em outubro de 1903. "Um menino de 10 a 11 anos, quase paralítico, foi a Queluz durante a renovação, para pedir esmolas. Um dos missionários, com a esmola, deu-lhe o conselho de fazer uma novena a Nossa Senhora Aparecida. O pequeno seguiu o conselho e após alguns dias, estava andando livremente; veio até Aparecida cumprir sua promessa".

Salvo de ser esmagado por um bonde
"No dia 29 de outubro de 1920, o menino José, de três anos de idade, filho do Sr. João Sebe, de Aparecida, passando pela rua, foi colhido por um bonde da Companhia Luz e Força, ficando debaixo do mesmo. Nesse momento aflitivo, foi invocada Nossa Senhora Aparecida, em frente de cujo Santuário se deu o desastre. "Com grande admiração de todas as pessoas presentes, o menino foi tirado debaixo do bonde, entre as rodas, são e salvo, apenas com leve arranhadura".

A menina esfaqueada
Outra cura, também de uma criança, aconteceu na cidadezinha de presidente Alves, interior de São Paulo, durante as missões que lá se pregaram de 15 a 28 de fevereiro de 1929. O Padre nestor Tomás de Souza, um dos Missionários, relata o fato: "Estava exposta a imagem de Nossa Senhora Aparecida, que conosco levamos como de costume. E diante dela vinha rezar cotidianamente uma menina de uns 10 anos, a qual, vítima da fereza bárbara de um tipo vil, inimigo de seu pai, que a procurara assassinar, dando-lhe inúmeras facadas, tinha um dos braços quase sem movimento, resultante dos muitos ferimentos que nele recebera. "Diziam os médicos terem sido atingidos os tendões. Prognosticaram a volta dos movimentos depois de muito tempo. "Mas a criança pediu a cura completa a Nossa Senhora. "Um dia ela pede à sua mãe uma moeda de mil réis para colocá-la ao pé da Imagem, a qual se achava exposta a altura tal, que uma criança como a sobredita menina só poderia alcançar erguendo-se na ponta dos pés e estendendo o braço. "Depois de sua curta oração, a criança se levanta e, como se nada tivera até então, joga o braço para cima, e sem a mínima dor, tndo ouvido apenas um 'estalo', disse ela. Ela mesma espantada diante do acontecimento enm deixa cair a moeda, mas a vem entregar ao missionário que acabara de dar a aula de catecismo, e corre à casa a narrar aos pais o acontecido. "Admiram-se estes, puxam-lhe pelo braço, erguem-no. O membro tem todos os movimentos e a pequena não sente mais dores".

Diante de uma onça feroz:"Valha-me Nossa Senhora Aparecida!" Este impressionante caso passou-se em Piu-í, Minas Gerais, e foi narrado em carta aos "Ecos Marianos": "Piu-í, 24 de fevereiro de 1931. "Há poucos dias, deu-se na fazenda das Araras, a uma légua e meia distante desta cidade, um grande milagre por intercessão de Nossa Senhora Aparecida. "É assim que Tiago Terra, que se dirigia àquela fazenda, sem esperar, foi acometido em caminho por uma grande onça, que procurou agredi-lo. "Não tendo forças e nem arma para se defender, na iminência de ser tragado pela fera, deu um forte grito: 'Valha-me Nossa Senhora Aparecida!'. "Foi então que a onça ficou estupefata, e tomou um caminho à direita e por ele seguiu, deixando Tiago ileso. "Se para maior glória de Deus e honra da Santíssima Virgem, quiserdes fazer público tão visível proteção, o favorecido Tiago vos ficará grato. - L. de Araujo".

Sentiu um toque sobrenatural e ficou curada
A "Tribuna" de Campinas escreveu em seu número de 17 de agosto de 1935: "Em palestra com o nosso redator, a Sra. D. Ernestina Santos, viúva, residente nesta cidade, à Rua Visconde do Rio Branco, nº 832, narrou o seguinte: "Seriamente doente durante um ano, sendo que os últimos 7 meses recolhida ao leito completamente imóvel, desenganada pela ciência médica, teve a idéias de cumprir uma promessa que fora feita pelo seu saudoso esposo, quando ainda vivo. "Dirigiu-se no dia 7 de julho do corrente ano ao bairro dos Amarais, para visitar a Capela de N. Sra. Aparecida. "com bastante esforço, sempre amparada pelos braços de um filho e da serviçal da casa, conseguiu penetrar na referida Capela. "Rezou com devoção durante longo tempo e, de repente, sentiu um toque sobrenatural. Fazendo um pequeno esforço conseguiu locomover-se e, com espanto geral, começou a andar sem dificuldade. "Tanto as pessoas de sua família, como das relações de sua amizade, são unânimes em afirmar que se trata de um autêntico milagre, levando em conta que a doente, os últimos meses, vinha passando deitada em seu leito sem poder fazer o mais leve movimento".

A serra elétrica parou milagrosamente
"Um fato portentoso passou-se no longínquo Estado de Goiás, na povoação denominada Aparecida, onde há igreja e mesmo uma romaria em louvor à Padroeira do Brasil. "O serrador do Sr. José Cândido de Queiroz, na ocasião em que fazia um conserto na máquina de serra, ficou por acaso com o braço preso, enquanto a serra continuava a trabalhar. Mais uns instantes e seu braço seria forçosamente decepado pela serra. "Lembrando-se neste angustiante momento de N. Senhora Aparecida, por Ela gritou e a serra no mesmo instante parou misteriosamente, sem intervenção humana. "Esse fato ocorreu no dia 12 de julho de 1936".

Caiu debaixo de um carro de bois
Um fato passado em 1937: "Em Ribeirão das Mortes, Minas, um menino, filho de augusto Bernardes Ferreira, caiu debaixo da roda de um carro de bois carregado com 80 arrobas de madeira que passou-lhe por cima do corpo. "Gritando por N. Sra. Aparecida, o pai teve a felicidade de ver seu filho ileso do perigo".
"Salvou nosso filho de ser esmagado" Relata o Pe. Júlio Brustoloni: "Uma família humilde veio da cidade de Cuiabá, MT, para agradecer. Quem nos conta a graça alcançada é a mãe da criança, dona Edna Neri: "Nosso filho pequeno estava brincando debaixo de um caminhão. Aconteceu que o motorista, sem preceber, pôs em movimento o caminhão. "Foi tudo tão rápido que não pudemos impedir a saída do caminhão, mas girtamos por Nossa Senhora Aparecida. "Assustado o motorista freou o veículo, julgando que tivesse passado por cima da criança. O menino sofreu apenas alguns ferimentos leves e já está perfeitamente bem. "Era o dia de sua festa, 12 de outubro de 1983. Naquele dia meu marido havia feito, logo cedo, uma prece diante de sua Imagem agradecendo e pedindo proteção para toda a família. E naquele mesmo dia Nossa Senhora nos amparou, salvando nosso filho de ser esmagado pelas rodas do caminhão. "Estamos aqui com toda a família para agradecer".

"Sinto-me feliz e cheia de fé"
"Um dia (em 1984), encontrei no recinto da Basílica a doméstica Iracema Tavares dos Prazeres, residente em São Paulo, que, de joelhos, se dirigia para o altar da Imagem. "Quase chorando, mas feliz, ela nos relatou: "Minha mãe sofreu trombose cerebral e ficou por mais de 15 dias em estado de coma. Na aflição pedi a Nossa Senhora que ajudasse minha mãe a sarar e prometi que, se fosse atendida, entraria de joelhos desde a entrada da igreja até o altar. "Minha mãe recuperou a saúde e hoje vim cumprir minha promessa. Sinto-me feliz e cheia de fé e vontade de viver".

A filha se queimara toda
Outro caso relatado pelo Padre Júlio, também de 1984: "Um jovem casal veio diretamente da cidade de Guandu, na Bahia, para cumprir a promessa feita para a cura da filha. Abordamos o casal quando a mãe iniciava sua caminhada de joelhos, da entrada principal até o altar. "Com emoção o casal nos confidenciou: "Viemos de Guandu, Bahia, e aqui estamos para agradecer o milagre que nossa bondosa Mãe fez em favor de nossa filha. "Somos da roça. A menina se queimara toda e, sem recursos, pedimos a Nossa Senhora que salvasse nossa filha e que seus olhos não ficassem prejudicados. "A criança está perfeita e por isso viemos cumprir a promessa: ir de joelhos pela igreja até o altar da Imagem e colocar na Sala dos milagres uma vela do tamanho da menina".

Bibliografia: "A maravilhosa história e os milagres de Nossa Senhora Aparecida" Gustavo Antônio Solimeo.

NOVENA A NOSSA SENHORA APARECIDA



Padroeira do Brasil e de Brasília


Oração Inicial
- Meu Deus, vinde em meu auxílio.
- Senhor, apressai-vos em me socorrer.
- Oração ao Divino Espírito Santo


Oração para todos os dias
Virgem puríssima, concebida sem pecado, e desde aquele primeiro instante toda bela e sem mancha, gloriosa Maria, cheia de graça, Mãe de meu Deus, Rainha dos anjos e dos homens: eu vos saúdo humildemente como Mãe do meu Salvador, que com aquela estima, respeito e submissão, com que vos tratava, me ensinou quais sejam as honras e a veneração que eu devo prestar-vos; dignai-vos, eu vô-lo rogo, de receber as que nesta Novena vos consagro. Vós sois o seguro asilo dos pecadores penitentes, e assim tenho razão para recorrer a vós; sois Mãe de misericórdia, e por este título não podeis deixar de enternecer-vos à vista das minhas misérias; sois depois de Jesus Cristo toda a minha esperança, e por esta razão não podereis deixar de reconhecer a terna confiança que tenho em vós; fazei-me digno de chamar-me vosso filho, para que possa confiadamente dizer-vos: mostrai que sois nossa Mãe!


Primeiro Dia
Eis-me aqui aos vossos santíssimos pés, ó Virgem Imaculada! Convosco me alegro sumamente, porque desde a eternidade fostes eleita Mãe do Verbo eterno e preservada da culpa original. Eu bendigo e dou graças à Santíssima Trindade, que vos enriqueceu com este privilégio em vossa Conceição, e humildemente vos suplicamos me alcanceis a graça de vencer os tristes efeitos que em mim produziu o pecado. Ah! Senhor, fazei que eu os vença e jamais deixe de amar a meu Deus.


Segundo Dia
Ó Maria, lírio imaculado de pureza, eu me congratulo convosco, porque desde o primeiro instante da vossa Conceição fostes cheia de graça e além disto vos foi conferido o perfeito uso da razão. Dou graças e adoro a Santíssima Trindade, que vos concedeu tão sublimes dons; e me confundo totalmente na vossa presença ao ver-me tão pobre de graça. Vós, que de graça celeste fostes tão copiosamente enriquecida, reparti-a com a minha alma e fazei-me participante dos tesouros que começastes a possuir em vossa imaculada Conceição.


Terceiro Dia
Ó Maria, mística rosa de pureza, eu me alegro convosco, que gloriosamente triunfastes da infernal serpente, na vossa imaculada Conceição, e que fostes concebida sem mácula de pecado. Dou graças e louvo a Santíssima Trindade, que tal privilégio vos concedeu e vos suplico que me alcanceis força para superar todas as tradições do comum inimigo, e para não manchar minha alma com o pecado. Ah! Senhora, ajudai-me sempre, e fazei quem com a vossa proteção, sempre triunfe de todos os inimigos de nossa eterna salvação.


Quarto Dia
Ó espelho de pureza, Imaculada Virgem Maria, eu me encho de sumo gozo ao ver que desde a vossa Conceição, foram em vós infundidas as mais sublimes virtudes e, ao mesmo tmepo, todos os dons do Espírito Santo. Dou graças e louvo a Santíssima Trindade que com estes privilégios vos favoreceu; e suplico-vos, ó benigna Mãe, que me alcanceis a prática das virtudes, e me façais também digno e receber os dons e a graça do Espírito Santo.


Quinto Dia
Ó Maria, refulgente lua de pureza, eu me congratulo convosco, porque o mistério de vossa Imaculada Conceição foi o princípio da salvação de todo o mundo. Dou graças e bendigo à Santíssima Trindade, que assim magnificou e glorificou vossa pessoa, e vos suplico me alcanceis a graça de saber aproveitar-me da Paixão e Morte do vosso Jesus, e que não seja para mim inútil o seu sangue derramado na cruz, mas que viva santamente e salve a minha alma.


Sexto Dia
Ó estrela resplandecente de pureza, Imaculada Conceição causasse um imenso gozo a todos os anjos do paraíso. Dou graças e bendigo à Santíssima Trindade, que vos enriqueceu com tão belo privilégio. Ah! Senhora, fazei que eu um dia tenha parte nessa alegria e que possa em companhia dos anjos, louvar-vos e bendizer-vos eternamente.


Sétimo Dia
Ó aurora nascente e pura, Imaculada Maria, eu me alegro e exulto convosco porque no mesmo instante da vossa Conceição, fostes confirmada em graça e tornada impecável. Dou graças e exalto a Santíssima Trindade, que somente a vós distinguiu com esse especial privilégio, Ah! Virgem Santa, alcançai-me um total e contínuo aborrecimento do pecado sobre todos os outros males, e que antes morra do que torne a cometê-lo.


Oitavo Dia
Ó sol sem mácula, Virgem Maria, eu me congratulo convosco e me alegro de que em vossa Conceição vos fosse conferida por Deus uma graça maior e mais copiosa do que tiveram todos os Anjos e todos os Santos no auge de seus merecimentos. Dou graças e admiro a suma bondade da Santíssima Trindade, que vos enriqueceu com tal privilégio. Ah! Senhora, fazei que eu corresponda à graça divina, e não torne a abusar dela; mudai-me o coração, e fazei que desde agora comece o meu arrependimento.


Nono Dia
Ó viva luz de santidade e exemplo de pureza, Virgem e Mãe, Maria Santíssima, vós, apenas concebida, adorastes profundamente a Deus e lhe destes graças, porque, por meio de vós, levantada a antiga maldição, desceu uma grande bênção sobre os filhos de Adão. Ah! Senhora, fazei que esta bênção acenda no meu coração um grande amor para com Deus; inflamai-o, para que, constantemente ame o mesmo Senhor, e depois goze eternamente no Paraíso, onde possa dar-lhe as mais vivas graças pelos singulares privilégios a vós concedidos e possa também ver-vos coroada de tamanha vitória.


Jaculatória (ao final todos os dias) :
Senhora Aparecida, milagrosa Padroeira, sede nossa guia nesta mortal carreira! Ó Virgem Aparecida, sacrário do Redendor, daí à alma desfalecida vosso poder e valor. Ó Virgem Aparecida, fiel e seguro norte, alcançai-nos graças na vida, favorecei-nos na morte!

Pai Nosso, Ave-Maria, Glória.

Consagração a Nossa Senhora Aparecida


“Ó Maria Santíssima, que em vossa querida imagem de Aparecida espalhais inúmeros benefícios sobre todo o Brasil, eu, cheio (a) do desejo de participar dos benefícios de vossa misericórdia, prostrado (a) a vossos pés consagro-vos meu entendimento, para que sempre pense no amor que mereceis. Consagro-vos minha língua, para que sempre vos louve e propague vossa devoção. Consagro-vos meu coração, para que, depois de Deus, vos ame sobre todas as coisas. Recebei-me, ó Rainha incomparável, no ditoso número de vossos filhos e filhas. Acolhei-me debaixo de vossa proteção. Socorrei-me em todas as minhas necessidades espirituais e temporais e, sobretudo, na hora de minha morte.Abençoai-me, ó Mãe Celestial, e com vossa poderosa intercessão fortalecei-me em minha fraqueza, a fim de que, servindo-vos fielmente nesta vida, possa louvar-vos, amar-vos e dar-vos graças no céu, por toda a eternidade.” Assim seja!

segunda-feira, 5 de outubro de 2009

Grupos da IAM Paróquia São João Batista

Nossa missão é Cristo Anunciar.
Comunidade Santa Paulina iniciou até agora 4 grupos: Nossa Senhora do Carmo e São José, Comunidade Padre Ezequiel, Comunidade Santa Edewirges, Comunidade São João Batista.

Teatro dia das crianças

Jesus também foi criança
Personagens:

Jesus adulto
Jesus menino
Maria
José
Isabel
Sacerdote
Sacerdote
Voz


CENA 1 - Jovem caracterizado de Jesus (adulto) entra no palco carregando uma bola e a camiseta ou a bandeira de um time de futebol. Chega mais para frente no altar ou palco e conversa com as crianças que estão assistindo:

Jesus adulto: Olá criançada! Tudo bem? Pois é, comigo também está tudo bem. Hoje é o Dia das Crianças, não é mesmo? Pois bem, hoje eu queria contar para vocês que eu também já fui criança, igualzinho a vocês. Gostei de brincar, e correr, e pular, como qualquer criança. Se eu tivesse nascido no Brasil, na época de vocês, talvez eu iria gostar de jogar bola! (Pode tentar chutar a bola, ou fazer embaixadinhas). Talvez eu fosse torcedor do time...........(erguer a bandeira). Lá na minha terra, a Palestina, as crianças brincavam também: de pique-esconde, de correr atrás do outro, de imitar o mestre, de faz de conta, e de tantas outras coisas. Hoje vocês vão passar um dia especial comigo quando eu era menino e ver uma aventura que eu fiz quando meus pais foram para Jerusalém.(nesse momento, ouve-se a voz de Maria, ainda escondida, chamando)
Maria: Jesus! Jesus!
Jesus Adulto: (Faz um sinal com o dedo na boca): XXX! Eu agora preciso sair. (e retira-se do palco).
(Maria aparece)
Maria: Jesus, meu filho! Vem para casa que já está na hora! (põe a mão sobre os olhos, procurando pelo filho)
(Jesus menino entra correndo na Igreja)
Jesus menino: Mãe! Mamãe! Eu tava brincando lá do lado do poço com a minha turma! (dá um abraço na mãe e os dois começam a conversar)
Maria: É mesmo, meu filho? E do que vocês estavam brincando?
Jesus: Ah, nós estávamos brincando de faz de conta. Eu era o profeta Daniel, o João era o Rei e a Ana, a Isabel, o Tiago e o Jeremias eram os leões. (fala com muito entusiasmo) Mamãe, o Jeremias fingiu tão bem que era um leão, que até eu fiquei com medo! Foi um sucesso!
Maria: Puxa, filho, que brincadeira boa! Mas eu vi que o Barnabé e o André não estavam com vocês. Porquê?
Jesus: Sabe, mãe, é aquele velho problema... O pai e a mãe deles não os levam na Igreja. Dizem que eles ainda são muito novos. Então, o que acontece: eles não conhecem as histórias da Bíblia e por isso têm vergonha de brincar com a gente. Em lugar disso, ficam só espiando de longe, brincando de luta e de caçar passarinhos.
Maria: Mas que coisa triste, filho. Eu acho que eles iriam gostar muito de participar da Igreja, não é mesmo?
Jesus: Ah, mas com certeza, mamãe! E, além disso, eles iriam aprender coisas boas.
Maria: Você sabe, filho, José e eu já pedimos tanto para os pais levarem o Barnabé e o André na Igreja. Mas eles sempre inventam alguma desculpa: ou ainda não terminaram o trabalho, ou estão muito cansados, ou vão receber uma visita, ou precisam preparar a comida... (olha com desânimo para o chão) E tudo isso são só desculpas. Sabe eu tenho muito medo afinal, se eles não estão aprendendo coisas boas, certamente estão aprendendo outras coisas, talvez não muito legais.
Jesus: Mas em todo caso eu e minha turma não desistimos, mamãe. Nós estamos sempre convidando eles para brincar conosco, e dizendo para eles pedirem para os pais levarem eles na Igreja. Quem sabe um dia isso muda! (abraça a mãe mais uma vez e dá um beijo estalado, bem barulhento, em sua bochecha) Ah, mamãe, muito obrigado por me levar sempre na Igreja!
Maria: Eu e José é que agradecemos todos os dias porque Deus nos deu de presente você. Nós temos orgulho de ter um filho tão obediente e educado! (Maria olha para o céu e percebe que o dia está passando) Nossa, filho, o tempo passou rápido! Já está na hora de sairmos para a nossa viagem a Jerusalém.
Jesus: Jerusalém! Oba! Vamos poder ir de novo no Templo! Vamos logo mamãe, porque eu quero ajudar o papai a guiar os jumentos!(os dois saem do palco de mãos dadas, conversando animados sobre a viagem)
_________________________________________________________________________

CENA 2 - Esta cena acontece no templo de Jerusalém. Ela inicia sem falas, apenas com fundo musical. O cenário é divido em três partes ou ambientes: em uma delas, os homens estão sentados, enquanto que um deles, o sacerdote está um pouco mais alto(pode ser num banquinho) com a Bíblia aberta e lê um trecho - tudo com mímica. Em outro ambiente estão as mulheres, ajoelhadas, orando. Num terceiro ambiente estão as crianças e um adulto com elas. Algumas podem estar desenhando, outras cantando. Todas as pessoas demonstram alegria de estar no Templo. Depois de algum tempo, os homens e mulheres vão levantando, encontrando-se uns com os outros, buscando as crianças e voltando para casa. Maria e José voltam com seu filho e outros adultos e crianças. Jesus não está com eles. Vão caminhando bem devagar, conversando entre si, alegres, pelo corredor da Igreja. Maria e José começam a procurar por Jesus, sem o encontrarem. A música vai diminuindo aos poucos.

Maria: Isabel, minha prima, Jesus está com vocês?
Isabel: Não, Maria. Nós o vimos pela última vez lá no Templo... Será que ele não está com os meninos do Ezequiel?
Maria: Eu acabei de falar com eles. Jesus não está lá não! (põe a mão na cabeça, desesperada) Senhor, onde pode estar meu filho? E se ele estiver correndo perigo?
José: (chegando apressado) Maria, já passei em todas as famílias que estão viajando conosco e Jesus não está com nenhuma delas. Todos viram Jesus pela última vez no Templo.
Maria: Mas então, José, vamos voltar e procurar nosso menino!
José: Sim vamos.
Maria: Estou muito preocupado com Jesus! Vamos aproveitar e voltar logo para Jerusalém, antes que o nosso grupo viaje para mais longe, e nós fiquemos sozinhos para a viagem de volta!
(José e Maria saem apressados para um lado, abraçados, enquanto que o seu grupo sai pela porta da Igreja.)

CENA 3 - Esta cena se passa novamente no templo. Ao serem abertas as cortinas, vê-se Jesus sentado no chão, junto com outros homens, sacerdotes e professores. Todos estão com suas Bíblias abertas em Isaías 11. Um dos sacerdotes começa a ler.

Sacerdote 1: Vejam o que o profeta Isaías falou: "Virá um descendente do rei, que será como um ramo que brota de um toco, como um broto que surge das raízes. O Espírito do Deus Eterno estará sobre ele e lhe dará sabedoria e conhecimento, capacidade e poder. Ele temerá ao Deus Eterno, e conhecerá a sua vontade".
Sacerdote 2: Há muitos anos, todas as vezes que nós lemos este trecho, perguntamos qual será o rei que Deus irá enviar para nos ajudar.
Jesus: (Coloca-se em pé e fala) Peço licença aos senhores. Eu acho que vocês não deveriam esperar por um rei poderoso. Vejam que o texto do profeta fala que ele vai ter sabedoria e conhecimento, que vai ter muito respeito por Deus e que o Espírito Santo está com ele. (nesse momento José e Maria vão entrando e ouvindo em silêncio, mostrando admiração pelo conhecimento de Jesus) Mas o texto não fala se vai ser um rei. Talvez pode ser apenas um menino, um filho de carpinteiro...
Sacerdote 2: Que idéia revolucionária. E como conhece bem a palavra de Deus!
Jesus: Pois é, isto é porque desde pequenininho meus pais sempre me trouxeram na Igreja e em casa me ensinaram as orações e os cantos.
Sacerdote 1: E como é seu nome, menino?
Jesus: Meu nome é Jesus, e vim lá de Nazaré...
(José interrompe)
José: Jesus! Você ficou para trás e perdeu-se do nosso grupo. Nossa família já viajou um dia inteiro e sua mãe e eu voltamos para lhe procurar.
Maria: Meu filho! Você me deu um susto tão grande! Seu pai e eu ficamos desesperados, pensando que algum mal poderia ter acontecido com você! (Jesus sai da roda e abraça José e Maria)
Jesus: Mamãe! Papai!Eu não quis preocupar vocês! Eu nem vi o tempo passar, e não percebi que vocês já haviam partido! Mas vocês sabem que quando estou na casa de meu Pai (mostra com gesto largo a Igreja ao seu redor) eu esqueço de tudo.
José: Tudo bem, meu garoto. Nós sabemos que você não fez por mal. Mas agora vamos embora, que o pessoal acampou só para nos esperar.
Maria: É, e com certeza vão rir muito da nossa aventura. Mas por favor, não faça mais isso, que meu coração de mãe não vai agüentar!

Os três saem do altar rindo, felizes. Pode-se colocar uma música de fundo, que vai diminuindo de volume aos poucos enquanto uma voz fala. Durante esta fala, todos os atores e atrizes voltam para o altar e dão as aos. Quando termina a fala, curvam-se para agradecer à "platéia".

*Voz: "Jesus crescia no corpo e em sabedoria. Era um bom filho e um ótimo amigo. Tanto Deus como as pessoas gostavam cada vez mais dele."

Teatro: Nossa Senhora da Conceição Aparecida

NARRADOR – Estamos em outubro de 1717. O Conde de Assumar, que era governador de Minas e São Paulo, tinha vindo visitar a cidade de Guaratinguetá. Os vereadores iam lhe oferecer um banquete. E então chamaram os pescadores João Alves, Domingos Garcia e Felipe Pedroso.

(Entra o Vereador. Logo depois os três pescadores)

VEREADOR – Quero que vocês vão até o rio Paraíba e pesquem os melhores peixes para o banquete do governador.

NARRADOR – Os pescadores se entreolharam. Depois um deles disse:

JOÃO – Perdão, Excelência: mas estamos numa época muito ruim para pescar.

DOMINGOS –Ninguém conseguiu pescar nada hoje.

FELIPE – Parece que os peixes sumiram do rio.

VEREADOR – Homens: vocês receberam a ordem! Vão e pesquem os melhores peixes. E rápido!

JOÃO – Sim, Excelência.

DOMINGOS – Sim.

(Os três pescadores saem por um lado enquanto o vereador sai pelo outro).

NARRADOR – Resignados os 3 pescadores lançaram seu barco nas águas do rio Paraíba.

(Entram os 3 pescadores com o barco e remam)

NARRADOR – Naquela noite nenhum pescador tinha conseguido pescar nem um peixe. Mas mesmo assim João, Domingos e Felipe tentaram.

(Os pescadores jogam a rede).

NARRADOR – Jogaram a rede ao rio, puxaram a rede de volta, e nada. Sem desanimar os pescadores jogaram a rede mais uma vez.

(Os pescadores jogam a rede novamente).

DOMINGOS – Nunca vi o rio Paraíba assim antes.

JOÃO – Parece que pescaram todos os peixes do rio e esqueceram de nos avisar...

NARRADOR – Outra vez os pescadores jogaram a rede.

(Os pescadores jogam a rede).

NARRADOR – E outra vez a rede voltou vazia. Sem desanimar os pescadores jogaram a rede mais uma vez. E dessa vez...

JOÃO – Parece que pegamos alguma coisa.

DOMINGOS – Vamos puxar logo a rede.

NARRADOR – Os homens puxaram a rede. E acharam o corpo de uma imagem de Nossa Senhora.

JOÃO – Olhem: é a imagem de Nossa Senhora da Conceição!

NARRADOR – Mas onde estaria a cabeça da imagem? Os pescadores jogaram novamente a rede. E dessa vez a rede trouxe a cabeça da imagem.
NARRADOR - Achar as duas partes da imagem de Nossa Senhora em pleno rio era um milagre. João juntou as duas partes da imagem e os homens descobriram suas cabeças.

(Mùsica: Trecho da Ave Maria. - Os pescadores tiram o chapéu.)

NARRADOR – Os pescadores então pediram a Nossa Senhora aparecida das águas:

PESCADORES – Nossa Senhora: rogai por nós.

NARRADOR – E jogaram de novo a rede ao rio. De repente sentiram a rede pesada. O que seria agora? Puxaram a rede e lá vieram os peixes. Eram tantos peixes que o barco dos pescadores quase afundou. E então os pescadores voltaram com os peixes e a imagem de Nossa Senhora Aparecida.

(Os pescadores saem).

NARRADOR – Levaram casa e a colocaram num oratório. Logo os vizinhos foram chegando para rezar o terço.

(Os pescadores e Silvana entram com a imagem de Nossa Senhora e a colocam no oratório. Vizinhos vem logo atrás para rezar o terço. Música: trecho de “Dai-nos a benção, ó mãe querida...”)

NARRADOR – Os vizinhos sempre se reuniam para rezar o terço a Nossa Senhora Aparecida. Em uma dessas noites as velas do altar se apagaram sozinhas, sem que houvesse vento ou qualquer motivo pra isso. Silvana se levantou para acender de novo as velas.
E foi então que outro milagre aconteceu: as velas se acenderam sozinhas!

(música: trecho de Ave Maria)

NARRADOR – Era um sinal de que Nossa Senhora estava ouvindo as preces de todos que ali rezavam.

(Todos saem e atrás da imagem de Nossa Senhora entra um cenário de uma igreja)


NARRADOR – Cada vez mais e mais pessoas vinham rezar e pedir graças a Nossa Senhora Aparecida. Então uma igreja foi construída para abrigar a imagem da santa.
Certa vez um escravo chamado Zacarias fugiu da senzala de uma fazenda. Mas foi capturado e acorrentado.

(Entra Zacarias acorrentado puxado pelo feitor).

NARRADOR – Quando chegou na porta da igreja o escravo Zacarias pediu permissão para rezar a Nossa Senhora. O feitor deixou que o escravo rezasse. Zacarias então se ajoelhou, e com muita fé e muito ardor rezou a Nossa Senhora Aparecida. Nesse instante as correntes que prendiam o escravo se soltaram. Ele estava livre! Era mais um milagre de Nossa Senhora.

(A cena acontece conforme a narração do fato. Quando termina a narração, o escravo ergue as mãos para o alto e agradece a Nossa Senhora. O feitor se ajoelha e tira o chapéu. Música.)

(Depois disso os 2 saem de cena).

NARRADOR – Uma outra vez uma menina andava com sua mãe às margens do rio Paraíba.

(Entram mãe e filha)

NARRADOR – A menina era cega desde que nasceu. Por isso a mãe a ajudava a andar pelo caminho. De repente, quando avistam a igreja, a menina diz:

MENINA – Veja mãe! Como é linda a igreja de Nossa Senhora!

MÃE – Minha filha! Você está enxergando?

MENINA – Sim, mamãe! Graças a Nossa Senhora!

(As duas vão até a imagem de Nossa Senhora agradecer.)

NARRADOR – Era mais um milagre de Nossa Senhora: a cura da menina cega.

(Mùsica. Depois Mãe e filha saem).

NARRADOR – A fé em Nossa Senhora Aparecida foi aumentando cada vez mais. São incontáveis os milagres que Nossa Senhora já realizou, as graças que seus fiéis já conseguiram.
Nossa Senhora Aparecida é a padroeira do nosso Brasil. Por isso agora vamos cantar bem bonito:

(Música – “Dai-nos a benção”, seguido de uma ave Maria).

Missa das crianças – Nossa Senhora Aparecida

Acolhida –(Levar uma imagem de Nossa Senhora , ou gravura de Maria e ir perguntando para as crianças sobre ela )

Olá crianças! Que encontro maravilhoso vamos celebrar hoje com Jesus .

Olhem só que a imagem que eu trouxe hoje pra gente falar um pouco sobre ela . Quem é ela? Vocês a conhecem?

O que ela fez? Como foi que ela aceitou o convite de Deus? E para que Deus a convidou?

Quem era seu esposo? Mas antes ela era casada?

Como foi que nasceu o seu filho? Onde foi que ele nasceu?

Quem sabe como foi que ela criou o menino Jesus?

O que será que ela ensinou a ele?

Será que ela o levava na igreja?

Será que ela foi uma boa mãe? Por que a chamamos de mãe ?

Que qualidades ela tem?

Que qualidades devemos imitá-la ?

Que beleza, crianças! A gente conhece tanto da mãe de Jesus, foi pelo intermédio dela, através de sua presença de mâe é que jesus realizou seu primeiro milagre.

Uma mulher plena na confiança de seu Deus. Uma mulher sem igual ao qual todos nós devemos seguir como exemplo.“

Que Deus nos faça também herdeiros desta mãe na doçura, no amor e no acolhimento. Vamos todo ficar em pé e cantarmos com alegria o canto de entrada.

Ato penitencial – (Lâminas)

Agora ,crianças, vamos imaginar o papel da mamãe dentro de sua casa. O que a mamãe faz quando vocês saem para escola?Ah.. ela varre a casa todinha , ela limpa, ela lava , ela seca as louças , ele faz tudo com amor a carinho , não é mesmo ?.Esse é o papel da mãe... papel de deixar tudo limpo e preparado.

Acham que foi diferente com a mãe de Jesus? Não, ela era humilde, simplezinha mesmo , do lar e Deus deu a ela a coragem pra lutar e ainda a beleza de coração.

Hoje Maria nos ensina como devemos fazer como todas as mães fazem todos os dias uma limpeza ... só que é uma limpeza diferente , é uma limpeza no coração... tirando tudo que é ruim... varrendo os pecados, passando pano nas sujeiras e impurezas que vamos criando ao longo de nossas vidas como a falta de perdão, secando os males e o choro que causaram na gente e que causamos nos outros, lavando e deixando escovado, encerrado e limpo um coração que não pode acumular lixo.

Mas como é que eu faço essa limpeza?

Vamos começar pedindo perdão a Deus... Pedindo perdão por toda sujeira, por toda imundície de pecado que mora no coração, cantando bem bonito realizando esse pedido.

Leitura – Com atenção e muito respeito , vamos todos ouvir as palavras que Deus, hoje , nos trouxe com todo seu amor . Portanto , atenção.

Aclamação – A festa das Bodas de Caná da Galiléia nos faz entender o mistério do grande amor de Deus pela humanidade. Deus não precisava da intercessão de Maria, mas o fez para nos mostrar o quanto Ele a valoriza e o quanto devemos segui-la como modelo . Vamos todos em pé cantar com alegria , saudando o nosso evangelho

Ofertório( várias coroinhas )

Ave mãe Maria, filha de Deus Pai

Oferta maior não há que hojé trazemos até o altar ...

Ave Maria de todas as mães
Hoje, nós, mães e filhas viemos te saudar
E na nossa saudação
Viemos também ofertar ao nosso Deus
Nosso desejo de nos assemelhar aos seus traços, mãe maior,
Que é pequena em estatura e enorme no amor e na proteção divina
Salve Rainha, bendita és entre todas nós. E bendito é o fruto que trouxe vida nova ao nosso mundo
Maria exemplo de amor e ternura, de doçura e meiguice:
Mulher de fibra, mulher forte, mulher de fé e que tudo pode.
Dai-nos a bênção Pai e nos faça mais filhos teus como Maria o foi
Que através de seus exemplos de mãe, ela continue nos transmitindo a alegria de gerar vida e vida em abundância como fostes dela .
Receba, senhor, junto ao pão e ao vinho cada uma de nós, mães e filhos , aqui da igreja e junto dessa oferta a coroação de nossa mãe maior , com coroas de amor, carinho , ternura , com tudo que a senhor nos deu com a presença doce dessa nossa mãe.

Comunhão – Quando somos pequenos nossas mães nos pegam pelo braço, nos erguem bem pertinho delas e nos carregam para onde desejarem . Agora, nossa mãezinha querida quer fazer o mesmo conosco. Quer nos colocar em seu colo e nos levar para grande festa da eucaristia. Então com a mesma alegria de estarmos no colo de nossa mãezinha, vamos cantar pra celebrar com alegria este momento.

Ação de graças – Hoje, como já lhes disse, é o dia de Nossa Senhora Aparecida, padroeira do Brasil . Mas vocês realmente sabem a história sobre a aparição de Nossa Senhora Aparecida , por que ela se chama assim e onde foi encontrada ? Vou contar para vocês ...

Foi assim ...
Em 1717 os pescadores Domingos Martins García, João Alves e Filipe Pedroso pescavam no rio Paraíba, na época chamado de rio Itaguaçu. Ou melhor, tentavam pescar, pois toda vez que jogavam a rede, ela voltava vazia, até que lhes trouxe a imagem de uma santa, sem a cabeça. Jogando a rede uma vez mais, um pouco abaixo do ponto onde haviam pescado a santa, pescaram, desta vez, a cabeça que faltava à imagem e as redes, até então vazias, passaram a voltar ao barco repletas de peixes. Esse é considerado o primeiro milagre da santa. Eles limparam a imagem apanhada no rio e notaram que se tratava da imagem de Nossa Senhora da Conceição, de cor escura.

Durante os próximos 15 anos, a imagem permaneceu com a família de Felipe Pedroso, um dos pescadores, e passou a ser alvo das orações de toda a comunidade. A devoção cresceu à medida que a fama dos milagres realizados pela santa se espalhava. A família construiu um oratório, que, logo constatou-se, era pequeno para abrigar os fiéis que chegavam em número cada vez maior. Em meados de 1734, o vigário de Guaratinguetá mandou construir uma capela no alto do Morro dos Coqueiros para abrigar a imagem da santa e receber seus fiéis. A imagem passou a ser chamada de Aparecida e deu origem à cidade de mesmo nome.

Então, crianças, desde que Nossa Senhora Aparecida foi a escolhida pelo povo brasileiro, nós também a elegemos mãe protetora de todas as crianças do nosso imenso país.

Por isso, vamos pedir a ela que interceda por cada criança, promovendo a paz , a justiça e o amor em cada uma de vocês . Vamos rezar bem bonita a oração da nossa Senhora? Ave Maria

(Pode-se cantar Mãe do Céu Morena ou outra musica de Nossa Senhora Aparecida)

A historia de Maria
Lâminas ( 1 a 9 )

E quem a não conhece? E quem nunca ouviu falar? Uma história que já dura 2000 anos e parece tão real em nossa vida. Vamos lá,crianças , vamos contar a história da virgem Maria . Mãe de Deus e nossa também ;

(1) Era uma vez uma jovem boa e pura que morava em Nazaré da Galiléia com seus pais Ana e Joaquim . Seu nome era _________;

Certa vez, enquanto estava a trabalhar em sua casa, cantando e louvando ao senhor, eis só quem apareceu a ela , o anjo_________ .

Que maravilha!! Maria está em graças e ele lhe disse:

Ave Maria, cheia de graça _________________________;

A jovenzinha assustada (porque não é todo dia que desce um anjo do céu e fala com a gente) se assustou , mas o anjo disse para não temer . Deus a havia escolhido para ser a mãe de ________________.

-Mas não sou casada, não conheceu homem algum?!- disse Maria.

Então o anjo lhe disse que (como era o mesmo o nome do noivo de Maria? Ah ________________ que ele se casaria com ela e seria o pai adotivo do menino Deus .

Maria não mais temeu.. O que foi que ela respondeu: ___________(eis aqui a serva do senhor faça-se em mim segundo a tua palavra).

E assim foi feito.

(2) Ela se casou com José que cuidou muito bem de Maria.

Qdo Maria estava bem barrigudona, o rei Herodes , com medo de um certo rei que haveria de nascer , mandou que todas as mulheres grávidas fizessem um cadastramento lá na cidade de ___________.

Então, José arrumou seu burrinho, colocou sua Maria sobre ele e foram lá pra Belém

Era noite fria, um vento leve tocava na face doce de Maria.. Caminharam durante um bom tempo pra chegar lá, e pelo caminho Maria ia sentindo sua barriga mexer aqui e acolá ... Mas as dores foram ficando fortes , mais fortes ...era sinal que Jesus queria _____________.(nascer)

(3) José ficou desesperado ...precisava arrumar um lugar bem aconchegante pra Maria ter seu filho Jesus . Bateu em uma, duas , três , muitas casas , mas as hospedarias estavam lotadas , as casas cheias não havia lugar para o menino nascer . Até que alguém sugeriu um ___________(estábulo).. lá no fundo da hospedaria .

(4) Maria não era soberba, não tinha luxos, era uma mulher diferente.. não se importou .. não se entristeceu .. aceitou !

No meio àquelas palhas ,afofadas por José , entre bafos quentes do boi e sopro de calor DE UM BURRO ....NASCEU A PAZ ... nasceu Jesus , EM MEIO AOS TRAPOS , EM MEIO A POBREZA .... numa humildade que nenhum ser humano jamais imaginou que um filho de Deus pudesse assim se fazer .

(5) Era simples o menino... Mas era a coisa mais linda do mundo. Ah CRIANÇAS !!!! COMO MARIA AMOU AQUELE MENINO.. COMO JOSÉ AMOU AQUELE MENINO... COMO NÓS, HOJE, AMAMOS este MENINO.

No rosto de Maria , sua ternura .. sua doçura .. seu sim ......

(6)Vieram então os _____________(pastores) ,eles vieram iluminados pela estrela guia e pelo coro de anjos que entoavam glória a Deus nas alturas e paz na terra aos homens de boa vontade..

Havia paz , alegria entre todos .. O menino Deus havia nascido.. O grande rei estava entre nós...

(7)Vieram também reis de longe ...de outras terras distantes pra visitar o menino Deus . Trouxeram-lhes presentes valiosos de suas nações pra enfeitar a vida do dele .

(8) E o presépio se fez presente na nossa vida.. Maria, José, o boi, o burro , a ovelhinha os pastores , os reis ... e no cenário principal a pessoa mais importante do mundo ,_______________.(o menino Deus)

(9) E sabem aqueles lá.. Aqueles que estão ao pé de Jesus?

Esses, somos nós, que trazemos hoje a mais nova alegria em ter Jesus conosco.. Onde nossos olhos brilham ao ver o menino Deus tão humilde, tão simples .. que veio nos trazer a salvação.

Somos nós ajoelhados diante do grande milagre de Deus em nossas vidas, o milagre da salvação. Viva Maria, mãe querida.. Viva Jesus, nosso rei , nossa vida , a ele nosso eterno amor .

domingo, 4 de outubro de 2009

Dia da Criança


Dia da Criança

O responsável pela criação do dia das crianças foi o deputado federal Galdino do Vale Filho, na década de 1920. Após ter sido aprovada pelos deputados, a data de 12 de Outubro foi oficializada pelo presidente Arthur Bernardes, através do decreto no 4867, de 5 de novembro de 1924.

A data só passou a ser celebrada somente na década de 1960, momento que a fábrica de Brinquedos Estrela decidiu fazer uma promoção em conjunto com a Johnson &Johnson, com o lançamento da “Semana do Bebê Robusto” que tinha por objetivo aumentar as vendas. Logo depois outras empresas decidiram criar a Semana da Criança com o mesmo intuito. No ano seguinte, os fabricantes de brinquedo decidiram escolher um único dia para a promoção. A partir daí, o dia 12 de Outubro passou a ser uma das datas mais importantes do ano para o ramo de brinquedos.

O dia das crianças é a segunda data mais importante para o comércio, perdendo somente para o Natal.

A organização das Nações Unidas (ONU) comemora o dia de todas as crianças do mundo em 20 de Novembro, data em que os países aprovaram a Declaração dos Direitos das Crianças.

No Japão, o dia é comemorado em 5 de Maio, para os meninos, com exposição de bonecos que lembram samurais, para as meninas a comemoração é no dia 3 de Março, com exposição de bonecas. A China também comemora no dia 5 de Maio.

Na Nova Zelândia a comemoração é no primeiro domingo de Março, diferencia-se de algumas comemorações por não ser um dia para presentes e sim um dia onde se passa tempo com a família, para rir e brincar.

Em Moçambique a celebração é no dia 1 de Junho, este foi instituído para assinalar o dia em que muitas crianças de pouca idade foram cruelmente assassinadas a sangue frio pelas forças nazistas em Junho de 1943.

Por Patrícia Lopes
Equipe Brasil Escola

Oração de São Francisco de Assis


Senhor, fazei-me instrumento de vossa paz.
Onde houver ódio, que eu leve o amor,
Onde houver ofensa , que eu leve o perdão,
Onde houver discórdia, que eu leve a união,
Onde houver dúvida, que eu leve a fé,
Onde houver erro, que eu leve a verdade,
Onde houver desespero, que eu leve a esperança,
Onde houver tristeza, que eu leve a alegria,
Onde houver trevas, que eu leve a luz.

Ó Mestre, fazei que eu procure mais
consolar que ser consolado;
compreender que ser compreendido,
amar, que ser amado.
Pois é dando que se recebe
é perdoando que se é perdoado
e é morrendo que se nasce para a vida eterna...
Amém.

Dia 04 de outubro - São Francisco de Assis


São Francisco nasceu em 1181/1182 em Assis na Itália, foi batizado com o nome de Giovanni di Pietri, mas seu nome foi mudado pouco tempo depois para Francisco, pois seu pai Petri di Bernardone era comerciante e viajava muito a França, mudou o nome do filho em homenagem ao local que fazia bons negócios.

Em 1198 acontece um conflito em Assis, entre a nobreza e os comerciantes. Os nobres se refugiam em Perusa uma pequena cidade próxima de Assis, onde São Francisco ficou preso por um ano até o ano de 1204. Em Perusa também estava a família de Clara.

Ao voltar para Assis, São Francisco doente começa sua conversão gradual, se dedica a dar esmolas e oferece até suas roupas aos pobres, tem visões e começa a desprezar o dinheiro e as coisas mundanas. Até que ele se encontra com um leproso, lhe dá esmola e um beijo, e este acontecimento marcou tanto a vida dele que, dos muitos fatos ocorridos em sua vida, este foi o primeiro que entrou em seu Testamento, "pois o que antes era amargo se converteu em doçura da alma e do corpo".

Outros encontros afirmaram ainda mais a vocação de São Francisco, nas ruínas da da igraja São Damião recebeu do crucificado o mandato de restaurar a Igreja. Obediente ao mandato, São Francisco pôs-se logo a trabalhar. Reconstruiu três pequenas igrejas abandonadas: a de São Damião, a de Santa Maria dos Anjos e a de São Pedro.

Seu pai, envergonhado do novo gênero de vida adotado por Francisco, queixou-se ao bispo de Assis da prodigalidade do filho e, diante do prelado, pediu a Francisco que lhe devolvesse o dinheiro gasto com os pobres. A resposta foi a renúncia à vultosa herança: despindo, ali, suas vestes, Francisco exclamou: "... doravante não direi mais pai Bernardone, mas Pai nosso que estás no céu..."

A partir desse momento passa a viver na pobreza, e inicia a ordem franciscana, cresce o número de companheiros, 1209 já são 12. Cria uma regra muito breve e singela, que o papa Inocêncio III aprova em 1210, e cujas diretrizes principais eram pobreza e humildade, surge assim a Fraternidade dos Irmãos Menores, a Primeira Ordem.

No Domingo de Ramos de 1212, uma nobre senhora, chamada Clara de Favarone, foi procurar Francisco para abraçar a vida de pobreza. Alguns dias depois, Inês, sua irmã, segue-lhe o caminho. Surge a Fraternidade das Pobres Damas, a Segunda Ordem. Aqueles que eram casados ou tinham suas ocupações no mundo e não podiam ser frades ou irmãs religiosas, mas queriam seguir os ideais de Francisco, não ficaram na mão: por volta de 1220, Francisco deu início à Ordem Terceira Secular para homens e mulheres, casados ou não, que continuavam em suas atividades na sociedade, vivendo o Evangelho.

A Ordem Francisca cresceu com o passar dos anos. Em 1219 houve uma grande expansão para a Alemanha, Hungria, Espanha, Marrocos e França. Neste mesmo ano São Francisco vai em missão para o Oriente. Durante sua ausência, vigários modificam algumas regras da Ordem e no mesmo ano de 1219 São Francisco se demite da direção da Ordem.

Com o crescimento da Ordem, quase 5.000 frades em 1221, uma nova regra foi escrita por São Francisco em 29 de novembro de 1223 que foi aprovada pelo papa Honório. É a que vigora até hoje.

Em 1224 no dia 17 de setembro São Francisco recebeu as chagas de Jesus crucificado em seu próprio corpo, este fato ocorreu no Monte Alverne, um dos eremitérios dos frades.

Os últimos escritos de São Francisco são entre 1225 e 1226, dentre eles o Cântico das Criaturas e o Testamento. Nestes mesmos dois anos, Francisco vai a vários lugares da Itália para tratar de suas vistas. Passa por diversas cirurgias. Morre aos 03 de outubro de 1226, num sábado.

Morreu nu aquele que começou a vida de conversão nu na praça de Assis diante do bispo, do pai e amigos. Morreu ouvindo o Evangelho de João, onde se narra a Páscoa do Senhor, aquele que recebeu os primeiros companheiros após ouvir o Evangelho do envio dos apóstolos. Foi sepultado no dia 04 de outubro de 1226, Domingo, na Igreja de São Jorge, na cidade de Assis.

São Francisco de Assis foi canonizado em 1228 por Gregório IX e seu dia é comemorado em 04 de outubro.

Em 25 de maio de 1230 os ossos de São Francisco foram levados da Igreja de São Jorge para a nova Basílica construída para ele, a Basílica de São Francisco, hoje aos cuidados dos Frades Menores Conventuais.

Passatempo


Visite o blog da Marcela http://marcelagregorio24.blogspot.com/2009/10/passatempos-da-fe-outubro.html?showComment=1254712675531#c5911147758136215236

Nascimento Novo Grupo IAM - Paróquia São João Batista (Fátima)











Neste sábado 03/10 na Paróquia São João Batista (Fátima) em Joinville, nasceu novo grupo IAM,as assessoras são Débora e Tatiane, tivemos a participação de 30 crianças.
Venha participar dessa Obra de Evangelização:
Criança evangelizando criança.

IAM NAS COMUNIDADES
Os encontros acontecem nos sábados
Nossa Senhora do Carmo – 9:00h às 10:30h
Santa Paulina – 9:00h às 10:30h
Pe. Ezequiel – 15:00h às 16:30h
Santa Edwirges – 9:00h às 10:30h
São João Batista – 9:00 às 11:30h

Missa Abertura Mês Missionário - Comarca de Joinville

Neste sábado dia 03/10 às 15:00 na Paróquia Cristo Ressucitado do bairro Floresta em Joinville, aconteceu a Missa de Abertura do Mês Missionário, presidida pelo Pároco Padre Carlos e co-celebrantes Padre João e o Diácono Antônio (Toninho).
Foi uma celebração festiva com a participação de toda a IAM da Comarca de Joinville(Norte e Sul).
Viva a IAM!!!
Santa Teresinha do Menino Jesus...
São Francisco Xavier...
Rogai por nós!!!